terça-feira, 5 de janeiro de 2010

Há 506 anos....

Hoje comemora-se o dia do descobrimento de São Francisco do Sul. Calma. Esta ainda é uma questão em aberto, já dizia, entre outros, o historiador francisquense Carlos da Costa Pereira. O então Instituto Binot Paulmier de Gonneville – São Francisco do Sul 500 Anos, criado pelo governo Odilon, deu conta de arraigar na mente da população o tal “descobrimento” como verdade incontestável. Imagino que bastaria questionar alunos da rede pública municipal de ensino – na qual, imagino, seja abordada a história da cidade – para constatar que a tese da chegada da embarcação Espoir na Babitonga é uma unanimidade.

Analisando a Declaration du Voyage – a forjada e a verdadeira –, Pereira registra em sua obra História de São Francisco do Sul, que “(...) sendo esse trecho da nossa faixa litorânea irrigado por cursos de água que não apresentam nenhuma particularidade geográfica e se assemelham uns aos outros, como Iguape, Paranaguá, Araranguá, Mapituba, Rio Grande do Sul etc... ser quase impossível precisar o local em que [Binot Palmier de] Goneville desembarcara com sua gente (...)”

O fato de na Declaration constar que os franceses chegaram a um rio que lembra o europeu Orne, é pouco para atestar que, no Sul do Brasil, o local preciso foi o que hoje conhecemos como São Francisco do Sul. Enquanto o “análogo” Orne tem 170 metros de extensão, além se ser mar (e não rio), a baía Babitonga mede 2,5 mil metros, segundo Pereira. Partindo do porto de Honfleur (hoje chamada cidade irmã de São Francisco do Sul) em 24 de junho de 1503, o Espoir chegou à costa Sul brasileira em 5 de janeiro de 1504. Agora só resta saber em que lugar.

Com a criação do Instituto, para fomentar a “inesquecível” festa do descobrimento, foi amplamente difundido que o grupo francês, do ramo siderúrgico, Usinor - hoje a empresa chama-se ArcelorMittal Vega e já não é mais francesa! -, ao se instalar em São Francisco, estaria promovendo a “redescoberta” da cidade. “Em troca de pentes, facas, machados, espelhos, miçangas e outros objetos de pequeno valor, o navio pode fazer um carregamento de 100 quintais de carne, peixe, frutas, penas e raízes de tinturaria”, escreveu o historiador francisquense. Agora, em troca de meia dúzia de empregos para os nativos – e que bom que estão empregados lá, isso é inconstestável –, São Francisco carregou os saqueadores europeus contemporâneos com água da "tribo". Também ficaremos com toda a poluição – isso ninguém me tira da cabeça – que, a médio e longo prazo, poderemos amargar. Acho que já estamos. E viva os 506 anos do descobrimento de São Francisco do Sul!

Sared Buéri

6 comentários:

  1. Vamos ao Teatro então:"Peça "A História de São Francisco do Sul" leva ao palco os 505 anos da 3ª cidade mais antiga do País
    Apresentação será nesta terça-feira no Cine Teatro 10 de Novembro, 20hs"(AN)

    ResponderExcluir
  2. Sared... um reparo: talvez voe tenha confundido a largura do Rio Orne. É 170 metros, e não quilometros.
    Acho muito difícil um navegaor que atravessou um oceano confundir uma foz de rio de 170m com os 2.700m da barra da Baia Babitonga.
    Alguns suspeitam que a chegada de Goneville seria em Itajaí ou Tijucas.

    ResponderExcluir
  3. Correto. Obrigado. Corrigido. Abraço.

    ResponderExcluir
  4. Belo texto Sared, análise irretocável...Será que devemos comemorar os chamados 506 anos de chegada dos brancos na Baía Babitonga, onde estão os verdadeiros donos da Ilha, não sobrou um remanescente, para participar da festa, foram aniquilados...pelos brancos europeus e católicos... Certamente não eram bons selvagens,não possuíam alma, logo poderiam ser escravizados e até mortos como animais...Eu gostaria de saber com os historiadores especialistas na ocupação territorial do Paraná e Santa Catarina o que foi feito dessa gente que nós aí no sul aprendemos a chamar de Bugres...

    ResponderExcluir
  5. "Hoje comemora-se o dia do descobrimento de São Francisco do Sul. Calma. Esta ainda é uma questão em aberto, já dizia, entre outros, o historiador francisquense Carlos da Costa Pereira."

    Descobriu como? Estava encoberta?

    Vamos viajar menos não é pessoal? Afinal, só se DESCOBRE o que está ENCOBERTO e ou que obviamente JÁ EXISTIA. Nesse caso em especial, o navegador APORTOU NA BABITONGA(?) e só! São Francisco do Sul é uma história que veio depois e não se trata nem de uma coisa e nem da outra. DESCOBRIMENTO FOI DO BRASIL, do continente e foi um só e se deu na Bahia. Binot quando APORTOU aqui achou o que havia em toda costa (JÁ DESCOBERTA): MATA ATLÂNTICA E ÍNDIOS... O resto veio ou foi inventado depois. E só!

    ResponderExcluir
  6. Pindorama não foi descoberta foi invadida e saqueada...

    ResponderExcluir