quarta-feira, 4 de agosto de 2010

Porto passa para o CAP decisão sobre guindaste

O Conselho de Autoridade Portuária (CAP) é que decidirá se o guindaste (MHC) da Soin entrará ou não em operação no porto de São Francisco do Sul. A afirmação foi feita hoje pelo presidente da Administração do Porto, Paulo Corsi. A empresa – Soluções Inteligentes – do ramo de operações portuárias aguarda para esta quinta-feira (5) a chegada do equipamento. Pela manhã, Leo Fernando Krapp, sócio da Soin, disse que o terminal francisquense vem pedindo documentos “a conta gotas”, embora as tratativas para a vinda da máquina tivessem iniciado há mais de quatro meses. A crítica dos empresários, nos últimos dias, de que a Administração do Porto estaria colocando “obstáculos” não foi bem digerida por Paulo Corsi, presidente da Administração. “Isso vem me chateando bastante.” 


Atualmente, há três guindastes na área do porto público. A Administração alega que mais empresas aguardam autorização para operar máquinas no local. No entanto, argumenta Paulo Corsi, um guindaste a mais transitando no cais poderia atrapalhar as operações em geral, principalmente porque duas obras estão em andamento – a construção do berço 201 e o reforço do berço 101. “Eu tenho o dever de preservar a operação no porto como um todo.” O presidente diz que o excesso de peso na área destinada ao tráfego das máquinas poderia causar prejuízo à infraestrutura do terminal. Caso as obras do porto estivessem concluídas, a liberação para o MHC seria imediata, garante Corsi.


O presidente da Administração do Porto também questiona a urgência da operacionalização do MHC. Depois de ser informado pela Soin de que bobinas de aço estariam entre as mercadorias mais movimentadas, Corsi diz ter procurado um dos armadores – a Hyundai – que trabalha com a carga e ouvido que a existência de mais um guindaste “não mudaria em nada”, e que era a falta de caminhões o entrave para a movimentação das bobinas.


A Soin cogita entrar na Justiça para garantir a descarga do guindaste assim que a balsa responsável pelo transporte chegar a São Francisco do Sul. “Ficou complicado, por já ter havido o agendamento [para a vinda do equipamento]”, lamenta o sócio da Soin Leo Fernando Krapp. 


Presidente do CAP, o engenheiro Fernando Camacho disse instantes atrás que ainda não está por dentro do assunto. Ele está em Brasília e deverá se inteirar no retorno, previsto para sexta-feira.

5 comentários:

  1. agora ficou na mao dos outros operadores portuarios,pois quem "manda" no cap sao eles.

    ResponderExcluir
  2. e pq não retiram um MHC do outro operador portuario,assim quebra o monopolio e não "causará problemas" para a infraestrutura do porto,como afirma o Sr. Corsi.
    Concorrencia faz com que haja mais qualidade nos serviços prestados!!!

    ResponderExcluir
  3. isso é uma vergonha, são chico é monopolio e quem manda vcs sabem quem é?? Seu Corsi, vamos deixar o pessoal trabalhar

    ResponderExcluir
  4. pescador nao otario?12 de agosto de 2010 21:30

    e nao querem q outro porto seja construido se o atual nao suporta uma maquina a mais.e ficam falando abobrinhas para os pescadores

    ResponderExcluir
  5. tudo errado, tem que melhorar a infraestrutura.

    ResponderExcluir